Notícias

José Eugênio: “Minha trajetória como estudante serve de incentivo para os alunos da Fafijan, porque demonstra que com esforço e dedicação podem alcançar os objetivos que desejam”

José Eugênio: “Minha trajetória como estudante serve de incentivo para os alunos da Fafijan, porque demonstra que com esforço e dedicação podem alcançar os objetivos que desejam”

Publicado em 31 | 10 | 2012 às 20:18

José Eugênio das Neves é o novo doutor do quadro docente da Fafijan

Antes de se tornar professor, José Eugênio foi acadêmico do curso de Letras na Faculdade de Jandaia do Sul. Tese de doutorado foi defendida no início de outubro, na Universidade Estadual de Londrina

Texto por: imprensa@fafijan.br | Fotos por: Arquivo Pessoal/José Eugênio das Neves

José Eugênio das Neves, que hoje faz parte do quadro docente da Fafijan (Faculdade de Jandaia do Sul), foi antes disso acadêmico da Instituição, tendo se formado em Letras Português-Inglês em 2001. “Tive o prazer de lecionar para ele, um aluno interessado, participativo, cumpridor das atividades”, recorda-se a coordenadora do curso de Letras da Fafijan, professora doutora Rosi Maria Basseto Sena. E os elogios não param por aí: “José Eugênio nunca se limitou a pesquisar apenas o que era determinado pelo professor, ia sempre além, levando para a sala de aula novos conhecimentos, novas informações, dando acréscimos significativos aos assuntos abordados”, diz Rosi. “Foi aluno nota dez em praticamente todas as disciplinas, além de ser uma pessoa extremamente pronta para ajudar.”

Essas características renderam a ele o primeiro lugar da turma ao final da graduação. E como na Fafijan os primeiros colocados de cada curso – anunciados no dia da formatura – são premiados com uma bolsa de estudo de especialização, José Eugênio não perdeu tempo e em 2002 iniciou a pós-graduação em Língua Portuguesa: Leitura, Produção Textual e Literatura na Instituição.

Em 2003, ingressou no mestrado em Estudos Literários na UEL (Universidade Estadual de Londrina), que concluiu em 2005; e em 2007 passou a dar aulas na Fafijan. Rosi Sena conta que a presença de José Eugênio no quadro docente também faz grande diferença para o curso de Letras da Fafijan. “É um professor atuante, ativo, ético e criativo. Sabe exigir e dar a contrapartida. Incentiva os estudantes à pesquisa e acima de tudo a refletir sobre o que se estuda”, ressalta a coordenadora.

Em 2008, ele partiu para o doutorado, também em Estudos Literários na UEL. A tese, “A presença de Estratégias de Descolonização na Obra de Lima Barreto”, orientada pelo professor doutor Sérgio Paulo Adolfo, foi defendida com êxito na quinta-feira, 4 de outubro. Fizeram parte da banca avaliadora os professores doutores: Tomas Bonnici (UEM – Universidade Estadual de Maringá), Eduardo de Assis Duarte (UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais), Frederico Bernardes (UEL) e Regina Aquino (UEL).

Rosi ressalta que o Colegiado de Letras da Fafijan recebeu com muita alegria essa mais nova conquista. “Uma alegria já anunciada, pois acompanhamos cada passo dos estudos de José Eugênio, desde a formação acadêmica até o doutorado. E temos certeza que logo ele irá para o pós-doutorado, pois acima de tudo, trata-se de um pesquisador”, destaca ela.

José Eugênio diz acreditar que a sua trajetória como estudante serve de incentivo para os alunos da Instituição, “porque demonstra que com esforço e dedicação podem alcançar os objetivos que desejam”, diz ele. “Sempre menciono casos de egressos da Fafijan que concluíram mestrado e doutorado em prestigiosas instituições de ensino superior do país, como um colega que conseguiu ingressar no doutorado da USP [Universidade de São Paulo]. Destaco que a faculdade dá a base, mas se o aluno quiser obter de fato sucesso e se diferenciar, deve dedicar-se à leitura e à pesquisa também fora dos muros da escola, o que envolve, às vezes, colocar a mão no bolso para comprar certas obras necessárias ao estudo”, aconselha o professor.

Quanto aos planos futuros, José Eugênio conta que pretende iniciar o pós-doutorado já no ano que vem, novamente na UEL. “Conversei com o meu orientador, Sérgio Paulo Adolfo, e dessa vez o tema deverá ser a obra do crítico literário Sílvio Romero, que viveu no início do século 20. Em termos profissionais, quero continuar trabalhando na Fafijan, onde desejo implantar grupos de estudos e contribuir para desenvolver ainda mais a pesquisa acadêmica”, afirma José Eugênio.