Notícias

O procedimento é rápido: primeiro é preciso preencher uma ficha com os dados pessoais; depois são coletados cinco mililitros de sangue para o exame que, posteriormente, irá revelar as características genéticas do doador em potencial

O procedimento é rápido: primeiro é preciso preencher uma ficha com os dados pessoais; depois são coletados cinco mililitros de sangue para o exame que, posteriormente, irá revelar as características genéticas do doador em potencial

Publicado em 28 | 06 | 2011 às 21:26

Cadastramento de doadores de medula óssea será nesta quarta-feira, dia 29

Pessoas da comunidade externa também poderão participar

Texto por: imprensa@fafijan.br | Fotos por: Assessoria de Imprensa Fafijan

Dando seguimento ao projeto “Doação de Sangue, Medula Óssea e Cidadania”, que tem à frente o Colegiado de Ciências Biológicas da Fafijan (Faculdade de Jandaia do Sul) em parceria com o Hemonúcleo de Apucarana, será realizado nesta quarta-feira, dia 29, no Anfiteatro da Instituição, das 19 as 22 horas, o cadastramento de doadores de medula óssea.
Para se cadastrar, basta ter de 18 a 55 anos de idade, apresentar boas condições de saúde e não se esquecer de levar os documentos de identidade e CPF. No caso das pessoas que não estão diretamente ligadas à Instituição – comunidade externa, também é necessário realizar o agendamento pelo telefone (43) 3432-4141 – falar com Edilaine Cerutti Borges. No local, o doador preencherá uma ficha cadastral, com dados pessoais, na qual terá de informar, inclusive, o telefone de duas pessoas próximas, para um futuro – e imprescindível – contato, caso seja detectado um receptor compatível.
A compatibilidade só é possível de ser analisada, porque no momento do cadastramento serão coletados 5 mililitros de sangue do voluntário. A amostra, posteriormente, passará por testes que irão revelar as características genéticas do doador. Esses dados serão inseridos no Redome (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea) e ficarão disponíveis para consulta às pessoas que não conseguirem encontrar entre os familiares alguém compatível.
Ou seja, decidir tornar-se doador de medula óssea é apenas o primeiro e mais simples passo de uma situação complexa, devido, principalmente, ao fator: compatibilidade HLA (Antígenos Leucocitários Humanos), que precisa ser absoluta entre doador e receptor. Segundo dados do Inca (Instituto Nacional do Câncer), a chance de encontrar uma medula compatível, hoje, em não-aparentados, é de uma em cem mil. Sendo assim, cada nova pessoa cadastrada no Redome é mais uma esperança que surge àqueles que vivenciam a angústia da espera.