Notícias

O dia frio e chuvoso não desanimou os interessados em fazer aumentar a lista do Redome (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea)

O dia frio e chuvoso não desanimou os interessados em fazer aumentar a lista do Redome (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea)

Publicado em 29 | 07 | 2011 às 21:14

Cadastramento de doadores de medula óssea na Fafijan tem grande participação da comunidade externa

Coordenadora do projeto, Edilaine Cerutti Borges, agradece a colaboração de todos que estiveram presentes

Texto por: imprensa@fafijan.br | Fotos por: Assessoria de Imprensa Fafijan

Tânia Aparecida Crepaldi ouviu pelo rádio o convite para a ação do bem. O genro Jorge Augusto Georgiani viu a chamada em um site de Jandaia do Sul. Juntos, comentaram o assunto e, motivados pela vontade de poder salvar uma vida, compareceram na noite de quarta-feira, 29 de junho, no Anfiteatro da Fafijan (Faculdade de Jandaia do Sul). Pelo quarto ano consecutivo, é realizado na Instituição, em parceria com o Hemonúcleo de Apucarana, o cadastramento de doadores de medula óssea.
O dia frio e chuvoso também não desanimou a dentista Cristiane Marquezi Martinez, que considerou o cadastramento – preenchimento de uma ficha com dados pessoais e coleta de 5 mililitros de sangue – bastante simples. Muito menos as irmãs Mara e Cida Garcia Ribeiro, que ficaram sensibilizadas após assistirem a uma reportagem na TV sobre um menininho à espera de um doador compatível. “Ficamos com vontade de ajudar na época que vimos a reportagem, mas não sabíamos como. Hoje, mesmo já enroladinha na coberta, sabia que não podia perder essa oportunidade”, diz Cida. “Esse projeto da faculdade é bastante interessante, porque conscientiza a população sobre a importância de se tornar doador ao mesmo tempo em que possibilita o surgimento de novos doadores”, destaca ela.
Os acadêmicos da Fafijan fizeram a sua parte. Bruno Cezar Esser, do quarto período de Ciências Biológicas, conta que na última doação de sangue que teve na Instituição chegou tarde e as senhas já haviam esgotado. “Nesta noite, fiz questão de chegar mais cedo e fazer o cadastro. A expectativa que fica, agora, é de ser compatível com alguém que esteja precisando”, deseja Bruno.
Edilaine Cerutti Borges, coordenadora do projeto “Doação de Sangue, Medula Óssea e Cidadania” agradece a todos que colaboraram.