Notícias

Griebeler: “Quanto mais conhecimento o estudante absorver durante a faculdade, quanto mais habilidades desenvolver, mais chances terá de ingressar no mercado de trabalho"

Griebeler: “Quanto mais conhecimento o estudante absorver durante a faculdade, quanto mais habilidades desenvolver, mais chances terá de ingressar no mercado de trabalho"

Publicado em 29 | 08 | 2011 às 16:45

Na Fafijan, presidente do Conselho Regional de Administração do Paraná, Gilberto Serpa Griebeler, fala sobre a realidade da profissão

Palestra foi ministrada na noite de terça-feira, 23 de agosto, e fez parte da programação do VI Cead

Texto por: imprensa@fafijan.br | Fotos por: Assessoria de Imprensa Fafijan

Dando seqüência às atividades do VI Cead (Ciclo de Estudos em Administração), esteve na Fafijan (Faculdade de Jandaia do Sul), na noite de terça-feira, 23 de agosto, o presidente do CRA-PR (Conselho Regional de Administração do Paraná), Gilberto Serpa Griebeler. “Já estava com saudade da Instituição. Há nove anos participei de um evento por aqui”, recordou-se ele no início da palestra. “A realidade da Administração” foi o tema que Griebeler escolheu para conversar com os participantes do Ciclo – a maioria, futuros profissionais da área.
Entre alguns dados apresentados, Griebeler destacou que o Paraná é o segundo estado com maior número de cursos de Administração sendo ofertados: 147 ao todo. E que existem atualmente no país mais de 1,6 milhão de acadêmicos matriculados. “O que esses números nos dão a entender? Que é uma profissão extremamente procurada, um mercado superaquecido, o segundo curso que mais emprega no Brasil.”
Com a pergunta: “O que cada um espera do curso de Administração?”, o presidente buscou mostrar ao público que existem diversos segmentos em que os administradores podem atuar. “Eu posso ser um administrador de recursos humanos, financeiro, de materiais, de produção, de cooperativas, de hospitais, de hotéis, de ONGs, enfim, o leque é grande. É preciso, já durante os anos de graduação, planejar-se profissionalmente. Não esperem para definir isso um dia antes da formatura, caso contrário, sairão da Instituição sem saber para onde ir, sem diferencial e sem muita aceitabilidade no mercado de trabalho.”
Muitas das recomendações feitas por Griebeler foram também importantes para acadêmicos dos cursos de Ciências Contábeis, Gestão da Qualidade, Gestão de Cooperativas e Marketing da Fafijan, que assistiram à palestra. “A primeira coisa que vocês precisam ter certeza é de que estão no curso certo; a segunda é saber o que esperam dessa profissão. A terceira é se prepararem bem, porque o mercado vai exigir de vocês muito conhecimento. E não pensem que uma simples grade curricular é o que os tornará grandes profissionais. O que vai diferenciá-los dos demais é o índice de participação nas atividades de extensão, as horas que passarão na biblioteca, laboratório de informática, a atuação junto à empresa júnior, bem como nos estágios fora da faculdade, ou seja, o aproveitamento máximo daquilo que a Instituição, e não somente ela, disponibiliza para o crescimento de vocês”, explicou.
“Quanto mais conhecimento o estudante absorver, mais chances ele terá de ingressar no mercado de trabalho. É possível identificar aquele que sabe mais, por exemplo, por meio de uma entrevista. Porém, a competitividade cresce a cada dia, com pessoas cada vez mais qualificadas e, nesse caso, duas características podem fazer toda diferença: as habilidades desenvolvidas, como a habilidade de negociação, de comunicação, de relacionamento, e também a atitude do profissional. Para isso, é importante que ele saiba desde o princípio aonde deseja chegar, para assim poder trilhar o seu caminho da maneira mais coerente possível”, aconselhou o convidado.
Sobre o Ciclo de Estudos em Administração da Fafijan, Griebeler salientou que é um evento altamente produtivo para os estudantes e profissionais já formados. Sobre o tema escolhido para o Cead deste ano: “O administrador e sua atuação frente às perspectivas da sustentabilidade”, ele disse que qualquer processo de desenvolvimento nos tempos atuais deve estar em sintonia com essa idéia de manutenção dos bens naturais, “ou correrá o risco de rapidamente não ser reconhecido pela sociedade”.