Notícias

Acadêmicos, professores, colaboradores da Fafijan e pessoas da comunidade externa terão até o dia 20 de setembro para visitar a exposição

Acadêmicos, professores, colaboradores da Fafijan e pessoas da comunidade externa terão até o dia 20 de setembro para visitar a exposição

Publicado em 13 | 09 | 2011 às 16:37

Fafijan recebe a exposição “Rondon – A construção do Brasil e a causa indígena”

Painéis estão expostos na Biblioteca da Instituição

Texto por: imprensa@fafijan.br | Fotos por: Assessoria de Imprensa Fafijan

Como parte das comemorações aos 45 anos da Instituição, a Fafijan (Faculdade de Jandaia do Sul) recebeu na última terça-feira, dia 6, a exposição “Rondon – A construção do Brasil e a causa indígena”. São 16 painéis, com textos e imagens, que contam a história de um grande pacifista - Marechal Rondon - que, entre outros legados, esteve à frente da implantação das linhas telegráficas no país.
Para os acadêmicos, professores, colaboradores da Instituição e pessoas da comunidade externa que têm vontade de conhecer a fundo essa biografia, a exposição estará na Biblioteca da Fafijan até o dia 20 de setembro. A entrada é franca e os horários de visitação são: de segunda a sexta-feira, das 13 horas às 17 horas / das 18 horas às 22h30; e aos sábados, das 8 horas ao meio-dia.
A exposição, que já percorreu mais de 800 municípios em todo o país, faz parte do Projeto Memória 2009 e é resultado da parceria entre a Fundação Banco do Brasil e a Sami (Sociedade de Amigos do Museu do Índio).

Marechal Rondon
Um grande defensor dos indígenas brasileiros, desbravador de terras distantes e desconhecidas, de selvas e sertões. Um descobridor do Brasil. Assim foi Cândido Mariano da Silva Rondon, o Marechal Rondon (1865 – 1958), que esteve à frente da implantação das linhas telegráficas no Brasil.
Pacifista, adotou em relação aos indígenas o lema: “Morrer se preciso for; matar, nunca!”. Gerou uma nova relação entre o Estado e as populações indígenas e foi responsável pela instituição do Dia do Índio.
Descendente de índios, nasceu em maio de 1865 em Mato Grosso. Estudou Engenharia, Matemática e Ciências Físicas e Naturais. Teve grande importância na busca da integração nacional, tendo como princípio o Positivismo, do qual se tornou adepto.
Entretanto, seu trabalho foi muito além do que lhe cabia. Percorreu mais de 50 mil quilômetros em território nacional, conhecendo dezenas de indígenas, bem como incluiu nos mapas rios ainda não identificados. Por tudo isso, Marechal Rondon foi o homenageado do Projeto Memória em 2009.
(Texto retirado do folder: “Rondon – A construção do Brasil e a causa indígena”)