Notícias

Palestras e debates, comunicações orais, apresentações de painéis e materiais didáticos, encontro de egressos e concurso de fotografias fizeram parte da programação da sexta edição do Evento Multidisciplinar

Palestras e debates, comunicações orais, apresentações de painéis e materiais didáticos, encontro de egressos e concurso de fotografias fizeram parte da programação da sexta edição do Evento Multidisciplinar

Publicado em 23 | 09 | 2011 às 16:31

De 12 a 16 de setembro foi realizado na Fafijan o VI Evento Multidisciplinar

Semana de estudos é organizada em conjunto pelos colegiados de Ciências Biológicas e Geografia

Texto por: imprensa@fafijan.br | Fotos por: Assessoria de Imprensa Fafijan

A sexta edição do Evento Multidisciplinar, que ocorreu de 12 a 16 de setembro, foi uma semana de intensas atividades para os estudantes de Ciências Biológicas e Geografia da Fafijan (Faculdade de Jandaia do Sul), convidados de outras instituições e profissionais da área. Na segunda-feira, abertura da programação, a professora Cláudia Bellanda Pegini, do Programa Aliança Educativa da PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná), falou a respeito de responsabilidade. “Da responsabilidade que se adquire com o saber, tendo em vista que a pessoa, a partir do conhecimento, consegue decifrar ‘enigmas’ por vezes escondidos nas entrelinhas daquilo que vê, lê, escuta.”
Para Cláudia, é possível interpretar tudo: desde um brinquedo aparentemente ingênuo, até uma propaganda, “em que modelos raros são postos como modelos a serem atingidos”. Ela comenta ainda que todas as pessoas podem, sim, analisar o que está ao seu redor com olhar mais crítico. “Para isso, é preciso ler muito, assistir a bons filmes, interpretar charges, obras de arte, fotografias, dar significado ao aprendizado adquirido, e não aceitar todas as mensagens da forma como vêm, sem reflexão”, aconselha.
Ainda na primeira noite do Evento, a dupla formada por Tiago Dantas (violão e voz), do sexto período de Geografia, e Diego Sanches (caixa acústica), do quarto, animou a platéia.
Na terça-feira, dia 13, houve sessão de comunicações orais e Encontro de Egressos para o pessoal de Ciências Biológicas, que contou com a participação de Ana Caroline Casalvara dos Santos (formada em 2008), Fernanda Ferreira de Souza e Fernando Signore (formados em 2009). Em um bate-papo com os participantes, eles puderam contar um pouco sobre como foram os anos de graduação; do que teriam feito diferente, se pudessem voltar no tempo; do que sentem saudade; e do que vêm conquistando profissionalmente. Ana Caroline lembrou o incentivo que os professores da Fafijan dão às pesquisas. “Participem do PIIC [Programa Institucional de Iniciação Científica], que será muito importante, caso vocês queiram ingressar mais tarde em um mestrado, doutorado”, recomendou. Fernando ressaltou a importância de se estabelecer bons relacionamentos na faculdade, “pois no futuro poderão ser pessoas que irão ajudá-los com indicações no mercado de trabalho”. Já Fernanda comentou sobre as viagens, cursos de extensão, semanas de estudos proporcionados pelo Colegiado. “Participem de tudo, aproveitem cada oportunidade de aprendizado que surgir e não tenham vergonha de perguntar. O momento de ter dúvidas é agora”, disse.
No mesmo dia, para os acadêmicos de Geografia, o professor doutor Elpídio Serra, da UEM (Universidade Estadual de Maringá), ministrou a conferência “Discutindo a agricultura tradicional e moderna: a questão da terra no Brasil associada ao papel das cooperativas agrícolas”; e o professor Thiago Frediani Sant’ana, “O uso da cartografia temática no planejamento ambiental”.
Na quarta-feira, dia 14, enquanto os estudantes de Geografia assistiram à palestra “Evolução da paisagem e dinâmica da ocupação humana em ambientes urbanos”, conferida pelo professor doutor Edison Fortes, da UEM, e depois às comunicações orais, os de Ciências Biológicas puderam tirar dúvidas em relação ao tema: “Por que fazer um curso de pós-graduação? Especialização, mestrado e doutorado”, explanado pela professora doutora, também da Universidade Estadual de Maringá, Maria Ruvolo Takasusuki. Mais tarde, a mestranda Bruna Belini, descreveu quais são as táticas de predação de alguns carnívoros, tornando ainda mais clara a explicação, por meio de fotos de animais mortos ou feridos. “Conseguimos diferenciar o ataque de um cão doméstico para o de uma onça pintada, puma e outros, pelos sinais específicos deixados nas presas.”
Na quinta-feira, houve a exposição de painéis e materiais didáticos, produzidos por estudantes de ambos os cursos. Já na sexta-feira, dia 16, encerramento do Evento, foi divulgado o resultado do Concurso de Fotografias de 2011, que teve como tema: “Meio ambiente e sociedade”. Em terceiro lugar, ficou Raíra Medeiros Bento, que ganhou um pendrive de 4 GB; em segundo, Graciene Aparecida Literoni, que recebeu um pendrive de 8 GB; e em primeiro lugar, João Gustavo Amorim de Sousa, que levou para casa um aparelho MP3.
Após as premiações, o secretário do Meio Ambiente e Turismo de Apucarana, João Batista Beltrame, mais conhecido como Joba, encantou o público, ao falar com paixão sobre alguns de seus projetos; no caso: o “Oásis” e o “Viva Araucária”. O primeiro, lançado em agosto de 2009 pela Prefeitura Municipal de Apucarana, incentiva, por meio do apoio financeiro, os pequenos proprietários de terra a respeitarem as leis ambientais, principalmente as que visam à preservação das nascentes. E o segundo, que deverá ser lançado em novembro deste ano, irá remunerar os produtores rurais que plantarem mudas de araucária nas bordaduras da mata ciliar, das minas d’água, reservas permanentes e carreadores de acesso às propriedades. É o que Joba define como pagamento por prestação de serviços ambientais. “Acho justo que essas pessoas recebam verba da comunidade por cuidarem de algo que é para todos”, resumiu.
Ao final, o secretário disse gostar de propor saídas para a sustentabilidade, “para que outras pessoas, como vocês, inspirem-se, criem novos projetos e os coloquem em prática, que é o mais importante. Estamos falando demais, discutindo demais e fazendo pouco em relação a esse tema”, criticou ele. Além de muita informação e momentos de conscientização, Joba também cantou, acompanhado de seu violão, músicas como “Até o fim” (Humberto Gessinger), “Tente outra vez” (Raul Seixas) e “Tocando em frente” (Almir Sater e Renato Teixeira).